segunda-feira, 16 de julho de 2012

"Canta" - Eu venho dali de baixo

(Arouca) - Hoje podemos dizer que este gênero de patrimônio musical, apesar de permanecer na memória de muitos arouquenses, teve o seu habitat natural extinto. Músicas e cantigas que antes estavam ligadas as ativiidades diárias do arouquense, hoje são dependentes de duas situações possíveis:
  • Etnomusicólogos e Pesquisadores: Pessoas interessados em estudar a música, que para isso convidam pessoas que ainda sabem cantar e que reunem-se especificamente para este fim;
  • Situações de reconstituição: Eventos organizados por grupos folclóricos, grupos de cantares, associações ou instituições públicas.

Desta forma, não podemos dizer que o patrimônio musical arouquense ou de qualquer outra localidade portuguesa esteja desaparecido, mas sim, a sua expressão e reconstituição está dependente da solicitação de outras pessoas, entidades ou motivações que tenham objetivos próprios, muitas vezes, executadas em locais pouco ou nada semelhantes com a localidade das cantigas no passado.

A canta deste post chama-se "Eu Venho dali de Baixo". Teve a gravação efetuada no Centro Cultural de Rossas, no dia 5 de março de 2005. É uma canta de autoria desconhecida, realizada pelas seguintes senhoras: Maria Emília Brandão, Cristalina Ribeiro, Luciana Gomes, Emília Rodrigues, Carla Almeida e Maria Emília Gomes. Para ouvir, basta encontrar a música no tocador ao lado. Abaixo seguem as estrofes e uma breve análise:

Eu venho dali de baixo
De regar o meu nabal.
Inda trago uma folhinha no laço do avental
Inda trago uma folhinha no laço do avental. (1)

No laço do avental
Na renda do meu vestido.
Oh prima eu vou pra guerra deixa-me dormir contigo
Oh prima eu vou pra guerra deixa-me dormir contigo. (2)

Deixa-me dormir contigo
Numa noite não é nada.
Eu entro pelo escuro saio pela madrugada
Eu entro pelo escuro saio pela madrugada. (3)

Nem entras pelo escuro
Nem sais pela madrugada.
Que eu sou rapariga nova não quero ser difamada
Que eu sou rapariga nova não quero ser difamada. (4)

Não quero ser difamada
Nem por tí nem por ninguém.
Não quero dar o desgosto à filha que meu pai tem
Não quero dar o desgosto à filha que meu pai tem. (5)

A filha que o meu pai tem
A filha que o meu pai tinha.
Não quero dar o desgosto a minha rica mãezinha
Não quero dar o desgosto a minha rica mãezinha. (6)

Esta cantiga, está basicamente ligada a algumas caractéristicas que já abordamos aqui. Possui temática agrícola (estrofe 1), um segundo sentido da palavra (estrofe 2 e 3), as vozes que "botam" (todas as estrofes), ausência de refrão e repetição da última linha da estrofe anterior (característica das Cantas), e a preocupação das mulheres em serem difamadas (estrofes 4, 5 e 6), medo recorrente de todas as mulheres daquela época, especialmente destratadas por familiares e outras pessoas próximas. Para relembrar outras situações e explicações, podem entrar em "Canta" - No Alto Daquela Serra e Criadas de Servir.

Sem comentários:

Enviar um comentário

Participe! Todos os comentários seráo lidos e respondidos.